terça-feira, 22 de março de 2011

Mais que lágrimas



E pela primeira vez ela o viu chorar. A vontade que ela tinha era de secar cada gota que caia do olho dele, mas ao mesmo tempo aquilo a purificou. Ele tinha alma de anjo, um jeito calmo de fitá-la, como se precisasse de um abraço, de um colo. Ele sempre achava o seu olhar, talvez por que ela nunca mudasse a direção, ela mesmo sem querer passava pra ele a sua energia, a sua foça, o seu sentimento que era tão sólido e tão expresso.
Ele chorava de alegria, de saudade, de tanta coisa guardada no peito, ela não conseguia conter suas lágrimas só pelo fato de sentir esse momento dele. Era muito o que ela sentia, e não desistiria desse sentimento jamais.
Ela não conseguia conter a necessidade de afagá-lo, de encostar a cabeça dele em seu ombro e sussurar em seus ouvidos que ela estava alí. Alí com ele, pro que der e vier. Sempre.
Sempre esteve, mesmo sem que ele a visse, estava com ele em pensamento. Não houve um segundo de sua vida em que seu pensamento não estivesse com ele, que fosse ele. Ficava imaginando onde ele estaria, o que estaria fazendo, como se sentia, se precisava dela, se sentia o seu amor que insistia em procurá-lo por toda parte.
Ele se sentou no chão e continuou com seu pranto. Precisava desabafar e foi a coisa mais linda que ela já viu. Ela sentou-se ao seu lado, passou a mão pelos cabelos dele, descendo pela nuca. Deslizou pela sua barba e puxando levemente seu queixo, olhou-o nos olhos. Nesse momento, as lágrimas cairam juntas, ficaram um bom tempo se olhando. Luzes saiam dos olhos dos dois, uma de encontro a outra. Será que é isso que acontece quando finalmente se encontra o amor tão verdadeiro e forte?
Ele sentiu uma paz inexplicável, pela primeira vez a sua insegurança foi embora e ele não parecia mais um menino pequeno, com medo.
Por ela, esse momento duraria a eternidade.


Aninha O.

Nenhum comentário:

Postar um comentário